Praça Carlos Gomes: tributo à criação

A celebração da criação, o tributo à ousadia. Situada entre as ruas Irmã Serafina, General Osório, Conceição e Boaventura do Amaral, a praça Carlos Gomes é um dos símbolos de como Campinas se destaca quando tem a coragem de se reinventar, de pensar o novo, e tudo isso em homenagem ao seu maior nome artístico.

Durante muito tempo, desde a fundação da cidade, o local foi usado como lixão e, também, como espaço para o ofício das lavadeiras. Em 1848, recebeu a denominação de Praça do Passeio. Em 1880 já era batizada com o nome do Carlos Gomes. No final do século 19, com a chegada das palmeiras imperiais, a praça começou a receber outro tratamento. Em 1882 ganhou um chafariz e bebedouro para animais.

Foto Martinho Caires

No início do século 20, um projeto urbanístico durante o governo municipal de Heitor Penteado deixou a praça Carlos Gomes bem próxima do perfil atual. A vocação para as artes era evidente e a vizinhança com o Cine Voga, infelizmente extinto como outros cinemas do centro, é um emblema nesse sentido.

Não por acaso, é a praça o território que mais lembra o maestro e compositor Antônio Carlos Gomes, principal ícone do potencial criativo campineiro. A lembrança fica ainda mais forte, na medida em que a praça está ao lado da Escola Carlos Gomes, uma das principais referências no setor educacional.

Foto Martinho Caires

A maior ligação afetiva da Carlos Gomes com o maestro acontece, é claro, em função da presença do coreto, bem no centro. O coreto data de 1913, quando a praça foi remodelada, com base em projeto de Juvenal Kirstein e Calixto Marin, orientados pelo grande arquiteto Ramos de Azevedo, que também tem uma biografia muito ligada a Campinas.

Ao longo do século 20, a praça Carlos Gomes se firmou como ambiente de encontros, de música, de convivência. Entre as décadas de 1980 e 1990, sofreu com a decadência que atingiu toda a região central, mas desde o início do século 21 está em curso um processo de reocupação criativa, pela população do entorno e com a realização de eventos de massa como o Chefs na Praça, blocos de Carnaval e outros. São eventos que mostram como o centro tão sofrido pode voltar a brilhar, sempre que a população é convidada para iniciativas que primam pelo respeito ao bem público.

Foto Martinho Caires
Foto Martinho Caires
Foto Martinho Caires
Foto Martinho Caires
Foto Martinho Caires
Foto Martinho Caires
Foto Martinho Caires

 

Foto Martinho Caires
More from República de Campinas

Largo do Rosário, a voz do povo

A poucos metros do Largo do Carmo, chega-se à Praça Visconde de...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *