Bosque dos Jequitibás, resistência

Com 101 mil metros quadrados, e crescentemente pressionado pela expansão urbana, o Bosque dos Jequitibás guarda uma das últimas manchas de mata nativa remanescentes da grande floresta que cobria originalmente a região – o que motivou o nome inaugural de Campinas, o de Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Campinas do Matto Grosso.

140727_270_1600_Bosque dos Jequitibás

Propriedade privada, o Bosque recebeu em 1881 os primeiros sanitários e restaurante, em mais um projeto de Ramos de Azevedo. Em 1915, na gestão de Heitor Penteado, a área tornou-se propriedade do Município.

Muitos dos jequitibás que dão nome ao local ainda estão lá, no sítio que é signo de resistência. No Bosque ficaram estacionadas tropas leais a Getúlio Vargas, durante a Revolução de 1932, e na década de 1970 por pouco ele não foi totalmente desfigurado, pela construção da avenida Aquidabã.

Permaneceu de pé pela atuação da cidadania e da Proam, organização ambientalista pioneira. Abrigando o zoológico municipal, o Bosque dos Jequitibás foi durante décadas a principal área de lazer do campineiro, até a abertura do Parque Portugal (Lagoa do Taquaral), em 1972.

140727_230_1600_Bosque dos Jequitibás

140727_222_1600_Bosque dos Jequitibás 140727_201_1600_Bosque dos Jequitibás 140727_202_1600_Bosque dos Jequitibás

 

 

 

 

 

More from República de Campinas

MIS, a reinvenção do Palácio dos Azulejos

A capacidade de reinvenção, a cidade grávida do novo. Campinas e suas...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *